Que história te toca e remete à sua infância?

Como a primeira história que você ouviu na vida se conecta com a imagem que temos dos jovens?
livro marcou infancia e jovens leem muito

Qual foi a primeira história que você ouviu na vida? 

Quem fez essa leitura para você? 

O que te marcou mais, a história ou a pessoa que leu para você?

Essas foram algumas perguntas que repetidas vezes me fiz quando me tornei educadora, e agora, passo a fazê-las aos jovens que entram no Pró e desejam se formar como mediadores de leitura.

Jovens Mediadores de Leitura! 

Aposto que você deve estar achando essa frase um pouco estranha, já que inúmeras vezes ouvimos frases como “jovem não gosta de ler”, “jovem não se interessa por nada”, “jovem só fica no celular ou na tv”. 

Posso te dizer, com toda certeza que jovem lê, e lê muito. Reconheço que também compartilhava desses preconceitos, mas isso mudou quando passei a ouvi-los sobre suas experiências com a literatura na infância e na juventude. Os jovens não só estão lendo, como estão escrevendo também. Escrevem poemas, romances, diários. Estão escrevendo sobre amor, amizades, política, sobre seu território e sobre si. 

Fotografia: Wagner Klebson

Manter a escuta ativa me conectou ao impacto que as leituras e escritas causam nos jovens, me transformando como educadora. Quando passamos a compartilhar nossas experiências pessoais, nos tornamos mais próximos, e analisamos as situações de forma crítica, reflexiva, em um espaço de respeito e acolhimento. E nesse processo como educadora e mediadora de leitura, apresento novos títulos, com novos desafios, com mais complexidade, e assim, educadora e alunos se alimentam mutuamente. 

A partir dessa (re) aproximação com os livros, os jovens percebem o impacto profundo em suas vidas e passam a desejar que outras crianças tenham as mesmas oportunidades que estão tendo. Nesse momento, caiu uma ficha neles: eles também podem ser mediadores de leitura apresentando e se conectando com novos personagens, enredos, paisagens e emoções, ampliando assim o seu vocabulário e passando a ter uma nova visão de mundo e de si. 

Jovens que chegam tímidos, calados, se sentem orgulhosos ao ouvir pedidos das crianças para que leiam outra história, quando são chamados de professores ou  recebem uma cartinha agradecendo a leitura ou dizendo que os amam. Esses jovens ganham status na comunidade, se tornam protagonistas e ocupam papéis de liderança dentro dos grupos que fazem parte. 

E eu, como educadora, me sinto realizada ao perceber os impactos positivos nos meus alunos. Jovens leitores e mediadores de leitura são apenas uns dos resultados de um trabalho sério, propositivo, de estudo, reflexão e trocas entre eu e meus pares (outros educadores), coordenação e gestão do Pró que, acreditam que a leitura e acesso a livros de qualidade são DIREITOS de todos. 

Mas e aí, qual foi a primeira história que você ouviu na vida? 

Veja também

Diversidade no mercado de trabalho atualmente e perspectivas